Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias de História

Bem-vindo(a) Este espaço foi criado em 2017 e tem por objectivo de transmitir um pouco de tudo, que o publico desconhece ou nunca ouviu falar. Contudo a história por si é feita de pequenas e grandes histórias, desde factos banais a acontecimentos

Histórias de História

Bem-vindo(a) Este espaço foi criado em 2017 e tem por objectivo de transmitir um pouco de tudo, que o publico desconhece ou nunca ouviu falar. Contudo a história por si é feita de pequenas e grandes histórias, desde factos banais a acontecimentos

Como se chegava ao Algarve há 40 anos

Os carros traziam pirâmides de carga no tejadilho, os vidros tinham de ir sempre abertos, parava-se em Canal Caveira para comer um cozido e tentava-se – sem muita sorte – passar as curvas das serras sem enjoar

A parte final acabava sempre com Rita a vomitar dentro do carro. Depois de mais de cinco horas de viagem, que por vezes passavam a sete, ultrapassar a serra de Monchique sem enjoar era quase impossível. O FIAT 128 formato carrinha ia apinhado de carga – as malas e a roupa seguiam no porta-bagagens; no tejadilho iam quatro ou cinco caixotes de cartão, com mercearia para pelo menos três semanas e uma espécie de forno portátil (que servia de torradeira e também dava para fazer assados). No banco da frente viajavam os pais e, atrás, entre os dois irmãos, Fernando e Rita, e várias almofadas, havia ainda uma televisão. Era um momento de grande tensão:

"Vais vomitar?", perguntava o pai.
"Ó pai, não sei!", respondia Rita.

Ninguém queria parar. A serra já era no Algarve e queriam chegar o mais cedo possível à praia Maria Luísa, em Albufeira. Além disso, se parassem demorariam outra meia hora a ultrapassar o camião que ficara para trás.

"Acho que estou mal disposta, vou vomitar!" continuava Rita.
"Mas queres que pare? É que se paro, aquele camião vai passar-me outra vez."

Normalmente, a indecisão resolvia-se da pior maneira. "Ela vomitava dentro do carro", recorda Fernando Miguel Carvalho, 37 anos, à SÁBADO. Ainda pior era a fase seguinte: "Ela vomitava nas costas do banco do meu pai e depois tínhamos de aguentar aquele cheiro o resto da viagem."

Viajar de Lisboa para o Algarve nos anos 60 e 70, quando ainda não havia auto-estrada (o único troço era entre Almada e o Fogueteiro e tinha apenas nove quilómetros), era uma odisseia. A viagem podia estender-se por cinco, sete ou 10 horas. Era preciso passar por todos os vilarejos e terrinhas e enfrentar filas intermináveis. Sem ar condicionado nem áreas de serviço.

A família de Fernando, professor de engenharia informática, fazia o percurso todos os anos, em Julho ou Agosto. A vigem era preparada com antecedência: a mãe comprava as mercearias (sobretudo enlatados para fazer sanduíches) e acondicionava-as em caixotes de cartão do supermercado.

O carro era abastecido na véspera. No dia da viagem, o pai de Fernando era o primeiro a levantar-se para prender os caixotes com elásticos e cordas ao tejadilho. A mãe fazia o pequeno-almoço – um termo com café e outro com leite com chocolate e sanduíches de manteiga e fiambre – e os dois irmãos acordavam às 5h, quando o carro já estava pronto. "Não era invulgar. Todos queriam ser os primeiros a chegar ao Algarve", recorda.

Antes da serra, o primeiro grande objectivo era passar a velha ponte de Alcácer – uma estrutura metálica de 1945, onde só cabia um carro. Até aí, não havia paragens.

Alcácer do Sal era um dos principais pontos negros do percurso: formavam-se ali filas de quase 30 quilómetros (houve uma altura em que a fila começava logo a seguir à portagem, quando a auto-estrada já terminava na Marateca) e o ambiente era tenso. "Estava tudo irritado e não havia grandes conversas", conta o professor.

Só depois se fazia a primeira paragem, num pinhal antes de Grândola (as seguintes seriam mais rápidas, à beira da estrada, para fazer chichi). "Púnhamos a toalha no chão e tomávamos o pequeno-almoço."

No início dos anos 60, o Algarve não era ainda um destino de massas. E os principais acidentes nas estradas eram provocados por animais e carroças. A 1 de Agosto de 1960, escrevia o Diário de Lisboa: "As manadas ou os rebanhos que há poucas dezenas de anos circulavam pacificamente pelas estradas, e eram um dos seus motivos de bucólico encanto, passaram à categoria de perigosos inimigos dos automobilistas."

Miguel Sousa Tavares tem experiência disso. Começou a ir para Lagos com a família aos 11 anos. Como eram muitos (os pais, cinco filhos e duas empregadas), dividiam-se: uns iam de carro, um Renault Dauphine, os outros de comboio. As 14 malas iam sempre no comboio.

A viagem de locomotiva durava oito horas, mas o percurso de carro era uma aventura ainda maior: "Era preciso sobreviver ao meu pai ao volante, tínhamos susto atrás de susto. Ele teve uns sete acidentes, só contra burros foram três vezes", conta à SÁBADO. Um deles foi à saída de Lagos: meteu-se por uma estrada sem saída, convencido de que não apareceria ninguém, e embateu de frente contra um burro. "Começou logo uma discussão entre ele e o homem da carroça e às tantas já a minha mãe estava metida: ‘Ó Francisco, não tens razão nenhuma!’ e o meu pai respondia-lhe ‘Lá está você a levar a do burro contra mim’."

Parar no meio da estrada para deixar arrefecer o motor era um clássico. "O carro sobreaquecia e tinha de se lhe deitar água", recorda o jornalista. Uma vez, na serra de Espinhaço de Cão, o carro não parava de deitar fumo e a família apanhou um susto: com medo que fosse explodir, fugiram para trás das árvores. Ficaram à espera mais de 15 minutos e quando regressaram é que perceberam o que se passava. "O meu pai estava a subir a serra com o travão de mão e nem deu por isso", lembra Sousa Tavares.

Foi na década de 70 que começaram as grandes romarias durante o mês de Agosto. Desde os anos 30 que as "licenças graciosas" (uma espécie de férias) estavam previstas para a Função Pública – ganhavam como se estivessem a trabalhar mas não tinham remuneração extra –, mas só a partir dos anos 60 houve uma alteração e começou a ouvir-se falar de férias. A partir de 1969, os privados passaram também a ter direito a férias. A mesma lei previa o pagamento de subsídios que, contudo, não tinham carácter obrigatório.

A 31 de Julho de 1971, O Século Ilustrado fez um especial sobre o tema e chamou-lhe Férias, Uma nova actividade. Dizia a revista: "Hoje, se não for a mais de 200 quilómetros do local de trabalho, ninguém se considera verdadeiramente de férias. Banhos? Não há como os do Algarve. Aquilo até dá gosto."

A família do designer João Catarino ia para o Algarve de Carocha. Era uma multidão: ele, os pais, a irmã e a empregada Laurinda. João não se sentava no banco traseiro, preferia ficar no espaço entre o banco e o motor, onde a trepidação era maior. "Era perigosíssimo, se alguém chocasse por trás nem quero imaginar! Mas não havia essas preocupações de segurança", recorda.

Durante a viagem, entretinha-se com o rádio a pilhas de Laurinda (a ouvir músicas do Festival da Canção); a ver as pirâmides de carga dos outros carros caírem ao mais pequeno toque, e a observar as pessoas que paravam no meio da estrada. Tinha outro ritual: empurrar a irmã para a esquerda e para a direita, conforme o balanço das curvas. "Acabava sempre em choradeira e em castigos."

Quando paravam para fazer um piquenique, era Laurinda que estendia a manta de xadrez debaixo dos pinheiros e que servia a refeição à família: arroz de frango com salsichas, ervilhas e pedaços de cenoura. Comiam em pratos de plástico duros, laváveis, e bebiam chá quente. Outras vezes, optavam pelo cozido em Canal Caveira e enfrentavam as filas de carros e de pessoas que se amontoavam naquela recta da EN 259.

A localidade, situada no concelho de Grândola, ficava sensivelmente a meio do caminho e tornou-se paragem obrigatória. "Chegávamos a ter 30 a 40 pessoas à espera ao longo do balcão e a fila continuava lá fora", conta à SÁBADO José Francisco, um dos funcionários mais antigos do restaurante Canal Caveira, fundado em 1949 e que ganhou fama por causa do cozido. "Era feito só com produtos caseiros. As hortaliças vinham de particulares que produziam de propósito para nós. Coisa que ainda acontece", diz o funcionário.

Bernardo Reino, 62 anos, mais conhecido por Gigi (dono do restaurante com o mesmo nome, na Quinta do Lago), fez a primeira viagem para o Algarve ainda a ponte Salazar não tinha sido inaugurada. Foi sozinho numa mota Honda 50 encarnada, tinha apenas 14 anos.

Na altura, os três destinos mais procurados na região eram Monte Gordo, "para onde iam sobretudo os alentejanos", Praia da Rocha, "destino das famílias com ascendência algarvia que viviam em Lisboa", e Albufeira, "para os mais jovens, ligados à música, às saídas à noite e às boîtes", descreve o empresário algarvio.

Aquela primeira viagem, rumo à Praia da Rocha, durou 12 horas e começou azarada: depois de atravessar o barco do Cais do Sodré até à Trafaria no ferry-boat – que levava 20 carros de cada vez, 7,40 euros por carro e 3,70 euros por passageiro, num total de 15 minutos de viagem –, teve um furo. Resultado: foi obrigado a empurrar a mota até à localidade mais próxima, o Fogueteiro. "As terras eram vivas, tinham oficinas e havia sempre alguém que arranjava as coisas."

Quando havia um acidente, ou um problema com o carro, a única solução era esperar que alguém passasse e fosse pedir ajuda ou arranjar boleia até à povoação mais próxima. Durante a noite, as oficinas fechavam e ao fim-de-semana não havia reboques.

Certa vez, a família de Fernando Carvalho terminou a viagem em casa de uns agricultores. "Tivemos um acidente e o carro começou a arder e apanhámos um susto. Aconteceu na Marateca, perto da casa de uns agricultores que nos deixaram pôr o carro num armazém e telefonar. Como não havia reboque nesse dia, o meu pai foi de boleia com o senhor a quem bateu até Setúbal para ir alugar outro carro e vir buscar-nos", conta.

Durante vários anos, a principal ligação entre Lisboa e o Algarve fazia-se pela N 5 até ao Torrão, e daí até ao Algarve pela N 2. A serra do Caldeirão, mais conhecida como a estrada das mil curvas, era um dos pontos críticos do percurso. "Era como atravessar o Quilimanjaro. Havia um restaurante/pensão, chamado Tia Bia, que ficava exactamente no fim da serra e, portanto, era paragem obrigatória depois daquela aventura", diz Bernardo Reino.

Contudo, na primeira viagem até à Praia da Rocha, o empresário optou pelo caminho mais perto da costa e parou numa estalagem do Cercal. Jantou, descansou umas horas e seguiu caminho. Estava ansioso por dar um mergulho nas águas do Algarve, que já eram conhecidas como as mais quentes. Chegou já de noite mas mesmo assim foi ao banho. Arrependeu-se: "Estava à espera de uma água tipo banheira, mas enganei-me. Foi uma banhada!" 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.